Últimas Notícias

Governo sanciona lei que proíbe sacolas descartáveis em supermercados

Foto: Reprodução
Pelo Estado do Rio, a sacolinha de plástico não passará mais. Pelo menos é o que espera o governador Luiz Fernando Pezão, que sancionou lei proibindo os estabelecimentos de distribuir, gratuitamente ou cobrando, sacos ou sacolas plásticas descartáveis, compostas por derivados de petróleo.

A lei dá 18 meses às micro e médias empresas para substituir as sacolinhas de plástico por sacos reutilizáveis, com, no mínimo, 51% de material renovável. Os supermercados tem 12 meses para se adaptar. Segundo Pezão, o objetivo é estimular a conscientização em torno do grave problema da poluição com sacos plásticos. "Com o apoio da população, será uma medida muito importante para a preservação do meio ambiente", disse.

As novas sacolas deverão ter resistência de quatro a dez quilos e ser feitas em duas cores: verde, para resíduos recicláveis; e cinza para outros rejeitos. Tudo para ajudar o consumidor na separação do lixo e facilitar a coleta seletiva. Os estabelecimentos poderão cobrar pelas sacolas. Em nota, o presidente da Associação de Supermercados do Rio (ASSERJ), Fábio Queiróz, manifestou apoio à lei, ressaltando o artigo que proíbe os supermercados de lucrarem com a venda das sacolas plásticas e que as redes poderão cobrar somente o seu preço de custo, valor que, segundo a nota, sempre esteve embutido no preço das mercadorias.

A medida, no entanto, é polêmica. "Isso é uma frescura muito grande", reclamou a pensionista Maria de Fátima Miranda, 72. Ela conta que, como a maioria das donas de casa, usa a sacolinha do mercado como saco de lixo. "O saco de plástico é reciclável. O errado é jogar na rua ou nos rios", pondera. Já para o biólogo César Bernardo, não só as sacolas de plástico, mas também os isopores e todos os produtos derivados do petróleo devem ser banidos da face da Terra. "Tudo isso impacta muito o ambiente. Eu estudo a Baía de Guanabara e a quantidade de sacos de plástico e garrafas pet no fundo do mar rivaliza com a areia". Bernardo, entretanto, salienta que a sacolinha não é a única vilã. "Falta política pública e logística reversa. Não tem coleta seletiva no Brasil", reclama.


C24H

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe-nos Sua Mensagem! Seja Sempre Bem Vindo(a)!

Portal do Farol | O Portal de Notícias do Farol de São Thomé | Designed by F.H. | TecnologiaTemplateism.com | Todos os direitos reservados. Copyright © 2019

Imagens de tema por MichaelJay. Tecnologia do Blogger.
Published By Gooyaabi Templates