domingo, 20 de setembro de 2015

Poluição eletromagnética: Wi-fi e celulares podem provocar câncer

Foto: Camara Mucuri - BA

Elas estão espalhadas na atmosfera e ninguém as vê, isso não quer dizer, no entanto, que as ondas eletromagnéticas sejam inofensivas.

Emitida por equipamentos elétricos e eletrônicos, esse tipo de energia ocupa o espaço, atravessa qualquer tipo de matéria viva ou inorgânica e produz uma poluição imperceptível capaz de influenciar o comportamento celular do organismo humano.

O uso da energia elétrica e eletromagnética tornou-se tão arraigado no cotidiano das grandes cidades que já não é possível se privar do contato com elas. Além dos telefones celulares, os aparelhos eletrodomésticos e as linhas de alta tensão estão por toda parte.

“Vivemos em um micro-ondas gigante”, diz o cientista  Boris Petrovic ao alertar sobre o impacto da presença dos campos e radiações eletromagnéticas.

Petrovic explica que o corpo humano não foi preparado para lidar com as interferências das radiações e dos campos eletromagnéticos. O engenheiro esclarece que tanto os celulares, quanto qualquer outro tipo de comunicação sem fio – como wi-fi e bluetooth – utilizam ondas de radiofrequência para transmitir dados ou voz. Essas ondas são de comprimento muito baixo e são chamadas de micro-ondas. Essa tecnologia é a mesma dos fornos de micro-ondas, usados para aquecer alimentos por atrito das moléculas de água.

O enfraquecimento do sistema imunológico, segundo o engenheiro, é a consequência mais grave da poluição eletromagnética. O efeito nocivo ocorre quando o campo elétrico dessas tecnologias interfere na bioeletricidade natural do corpo humano.  Boris explica que os sintomas variam de dores de cabeça e irritabilidade a diversos tipos de câncer.

“As consequências são mais evidentes em pessoas que apresentam eletrossensibilidade, mas por ser de natureza cumulativa, esse tipo de poluição afeta a todos” - explica o pesquisador.

As antenas e as mortes por câncer

Um estudo referência no mundo foi realizado em Belo Horizonte pela professora da faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, Adilza Dode. A tese de doutorado de Adilza evidencia mortes por câncer ao redor de antenas de telefonia celular, na capital mineira. Analisando dados entre 1996 a 2006, a pesquisadora estudou cinco mil casos de morte por câncer e constatou que mais de 80% das vítimas moravam até 500 metros das antenas.

Segundo Adilza, os padrões permitidos no Brasil são os mesmos adotados pela Comissão Internacional de Proteção Contra Radiações Não-Ionizantes (Icnirp), normatizados em legislação federal de maio de 2009.

“Até hoje, ninguém sabe quais os limites de uso inócuos à saúde. Os padrões adotados pelo Brasil são inadequados. Eles foram redigidos com o olhar da tecnologia, da eficiência e da redução de custos, e não com base em estudos epidemiológicos”, assegura.

OMS recomenda redução de uso

Em 2010, a Food and Drug Administration (FDA), órgão de saúde dos Estados Unidos, divulgou um comunicado afirmando que, apesar do aumento drástico no uso de telefone celular, as ocorrências de câncer no cérebro não aumentaram entre 1987 e 2005.

Diante da insegurança acerca dos impactos, em 2011, a Organização Mundial da Saúde divulgou um documento no qual classifica a radiação eletromagnética como “Potencialmente Cancerígena” e recomendou a redução das emissões “Tanto quanto possível”.


Formas de proteção do organismo

O magnetismo está por toda parte: no avião, num teatro lotado, enquanto você dorme com a televisão ligada na tomada ou quando voce coloca o despertador do seu celular para carregar. Embora a vida moderna tenha evoluído a tal ponto que não há um caminho de volta para abdicar desses recursos de comunicação, há formas de minimizar seus impactos na saúde.

Uma das formas, segundo Fábio Cardoso - clinico geral especialista em clínica médica -, é ter uma boa nutrição, capaz de fornecer as vitaminas e minerais necessários para manter o corpo equilibrado. Isso passa também por reduzir o máximo possível o consumo de alimentos industrializados e com agrotóxicos.

Segundo Fábio, os impulsos naturais da energia corporal são inconstantes de tem variação, pulsando de forma biológica. Já os impulsos da energia eletromagnética provenientes de aparelhos eletrônicos e tecnológicos, tem pulso fixo, o que se torna um fator irritante para o corpo. De acordo com o médico, esse tipo de impulso é um campo de interferência à nossa saúde, causa o desiquilíbrio e consequentemente é responsável por diversas doenças.

A poluição eletromagnética é uma realidade, e mesmo que as autoridades ainda não tenham chegado a um consenso, é de extrema importância a população buscar formas de se proteger, garantindo assim a integridade de sua saúde.










JTV

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe-nos Sua Mensagem! Seja Sempre Bem Vindo(a)!

| Notícias |

Curta a Nossa Fan Page No Facebook
Curta nossa página no Facebook e fique por dentro em primeira mão... Notícias, Dicas de Eventos, Curiosidades, Notas de Utilidade Pública e Muito Mais! De janeiro a janeiro, o ano inteiro com você! Portal da Praia Farol de São Thomé - www.praiafaroldesaothome.com.br - “A gente se encontra aqui!"

| DESTAQUE |

Conheça os Pratos que darão um show a parte no 5º Festival de Petiscos do Farol

Foto: Fabiana Henriques Aconteceu na tarde desta terça-feira, 15, na Praia do Farol de São Thomé, o lançamento dos pratos do 5º Festiv...

| Geral |

| Leia Também |

Você Conhece a História do Monumento do Farol? Assista!

| Sua mensagem aqui |

Enviar sua mensagem click AQUI
As mensagens são moderadas e passarão por análise antes de sua publicação.